Saiba tudo sobre como fazer Cursos de Curta Duração no Exterior!

Você tem vontade de adquirir experiência internacional no currículo, mas quer algo rápido e que não necessite de uma mudança de vida de longo prazo? Então, os cursos de curta duração no exterior são a melhor opção para você!

Neste artigo, vamos desvendar tudo o que você precisa saber sobre o tema. Leia este guia e entenda se este é o melhor caminho para sua carreira, quais as melhores regiões, universidades e cursos de curta duração no exterior, além de um passo a passo para planejar esta experiência.

Boa leitura!

Quais os benefícios de um curso de curta duração no exterior?

Viajar e conhecer novos lugares certamente é uma experiência que agrada a maioria das pessoas.  Mas, além disso, viajar para fazer um curso de curta duração no exterior tem vantagens que vão muito além do lazer — embora ele também esteja envolvido neste tipo de experiência.

Confira alguns dos principais benefícios de fazer um curso de curta duração no exterior. 

Aprimoramento do inglês

Mesmo que você escolha fazer um curso de Negócios, certamente conseguirá aprimorar o segundo idioma durante a viagem.

Isso porque as aulas são ministradas em inglês e você passará em torno de 3 semanas se comunicando com nativos e estrangeiros, o que certamente vai melhorar sua pronúncia e entendimento, afinal, lidará com sotaques de diversas regiões do mundo.

Networking Internacional

Outra grande vantagem dos cursos de curta duração no exterior está relacionada à possibilidade de fazer networking internacional. Durante essa experiência, você conhecerá outros profissionais de diversas regiões, e poderá trocar experiências sobre o mercado de trabalho, inovações e tendências. 

Isso expandirá seus horizontes e te trará ainda mais repertório para a vida profissional. Afinal, você aprenderá com os professores, mas também poderá trocar muitas experiências com seus colegas de outras regiões, obtendo insights que podem aumentar sua criatividade e te trazer mais panoramas de como resolver problemas e lidar com situações novas no trabalho.

Desenvolvimento de Habilidades Práticas

Por ter um período mais curto — em torno de 3 semanas de aula — os cursos de curta duração focam prioritariamente no conhecimento prático. Os melhores cursos no exterior são aqueles que levam os alunos para fora da sala de aula, organizando visitas a empresas da região e ensinando os alunos por meio de casos reais.

Então, se você está em busca de desenvolver uma habilidade específica, fazer um curso de curta duração no exterior é uma excelente escolha!

Conhecer uma nova cultura

Se você já participou de alguma experiência no exterior, sabe o quanto ela é importante para expandir os horizontes. De tempos em tempos, é sempre bom vivenciar novamente a experiência para se beneficiar disso.

Mas, se você ainda não teve a oportunidade de fazer um curso de curta duração no exterior, pode se jogar sem medo. Além de conhecimento prático e networking, a experiência de vivenciar os costumes e rotinas de outras culturas será muito valiosa para você!

Possibilidade de fazer nas férias

Muitos profissionais acabam desistindo de uma formação internacional porque não querem deixar seus empregos e família para passar um tempo fora.

Neste sentido, fazer um curso de curta duração no exterior é a solução perfeita: você pode completar o programa durante as férias de janeiro ou julho, sem precisar pedir demissão para isso. Os programas normalmente têm a duração de 3 semanas, sendo suficiente para adquirir novos conhecimentos sem ter que se ausentar por muito tempo da sua rotina.

Para quem é indicado fazer curso de curta duração no exterior?

Agora que você já sabe por que vale a pena fazer um curso de curta duração no exterior, pode estar se perguntando se ele é realmente indicado para seu momento de vida. Entenda melhor para quem essa experiência é indicada.

Estudantes e recém formados

Se você está cursando a graduação ou acabou de se formar e quer turbinar seu currículo para acelerar a entrada no mercado de trabalho, os cursos de curta duração no exterior são ótimos para este objetivo.

Para não prejudicar suas aulas na faculdade ou estágio, você pode escolher os programas que acontecem nas férias de janeiro ou julho!

Jovens líderes

Para quem se formou há um tempo e já está assumindo seus primeiros desafios em cargos de liderança, os cursos no exterior também são excelentes opções para adquirir novos conhecimentos práticos em um período curto de tempo. 

Muitos dos profissionais que assumem novos cargos sentem a necessidade de procurar formações para ajudá-los em seus desafios, e os cursos de curta duração no exterior podem ser uma alternativa mais rápida e prática do que iniciar um MBA, por exemplo.

Profissionais seniores

Também existem opções de cursos de curta duração no exterior para profissionais seniores que estão há mais tempo no mercado. Para isso, o ideal é procurar turmas de cursos avançados, a fim de garantir a melhor experiência com profissionais que estão em momentos semelhantes na carreira.

Quais as melhores regiões para cursos de curta duração no exterior?

Se você entendeu que um curso de curta duração no exterior é a melhor opção para seu momento na carreira, chegou a hora de definir a região onde vai estudar. Confira os principais destinos que oferecem esses programas.

Estados Unidos

Obviamente, os Estados Unidos acabam sendo a principal escolha dos brasileiros na hora de estudar fora. Se você quer ir para a terra do tio Sam, é importante escolher uma região que tenha atrações que podem agregar sua experiência, como:

  • Nova York: pela possibilidade de visitar um dos maiores centros financeiros do mundo;
  • Califórnia: concentração de muitas das maiores empresas do país na região, permitindo que você visite locais relevantes durante sua viagem.

Europa

O lado bom de escolher a Europa para fazer um curso de curta duração no exterior é a proximidade com outros países, de modo que você possa aproveitar os finais de semana para conhecer novas regiões. 

Para isso, você pode escolher fazer seu curso em regiões estratégicas e que permitam um fácil deslocamento em seus momentos de folga dos estudos, como Londres ou Itália, por exemplo.

Quais universidades oferecem cursos de curta duração no exterior?

Outro ponto importante antes de decidir por um curso de curta duração no exterior é garantir que vá para uma boa instituição de ensino. Conheça algumas das melhores universidades dos Estados Unidos e da Europa para ter essa experiência única!

State University of New York (SUNY)

A State University of New York — bastante conhecida pela sua abreviação SUNY — é um dos sistemas educacionais mais respeitados nos Estados Unidos. Fundada em 1828, seus 64 campi em New York recebem uma comunidade apaixonada de professores, pesquisadores e estudantes de todo o mundo. 

Nas unidades de New Paltz e Albany são oferecidos cursos intensivos de férias, com duração de 3 semanas. 

As aulas são ministradas por um experiente corpo docente, composto por mestres, doutores e especialistas de mercado, que lhe dará novas perspectivas do mundo dos negócios, novas ferramentas e habilidades para desenvolver sua carreira. 

Visitas monitoradas a empresas são a oportunidade perfeita para aprender mais sobre o mundo corporativo americano e expandir sua rede profissional com gerentes locais. 

A visita técnica à sede da ONU, em Manhattan (NYC), ampliará seu entendimento sobre as relações internacionais.

Tudo isso, além de um valioso desenvolvimento de habilidades de comunicação em inglês para negócios, é oferecido a estudantes e jovens profissionais de todos os continentes.

California State University, Northridge (CSUN)

A California State University, Northridge — também conhecida como CSUN — é uma das maiores e mais importantes universidades do mundo.

É referência no ensino e pesquisa em diferentes áreas do conhecimento, ela se destaca na formação de profissionais de Tecnologia e Negócios. 

A característica mais marcante de seu corpo docente é o vínculo com o ambiente econômico da Califórnia, marcado por ideias que estão transformando as relações de trabalho. A CSUN lidera essas mudanças como um centro de criação e difusão de ideias inovadoras.

University of La Verne

A University of La Verne – ULV é uma das mais tradicionais e respeitadas universidades americanas. Fundada em 1891, é uma instituição privada, sem fins lucrativos, ligada a uma fundação que apoia o ensino a alunos de países emergentes. 

Situada na Califórnia, a 50 minutos de Los Angeles, está no coração do mais rico estado americano, na cidade de La Verne.

Pearson College London

A Pearson College London é uma das mais modernas e renomadas instituições de ensino do Reino Unido. Ela faz parte do grupo Pearson, que hoje é uma das maiores empresas do mundo, com suas ações listadas na Bolsa de Valores de Londres. 

Seu corpo docente é referência internacional em diversas áreas do conhecimento, como Inovação, Contabilidade, Direito e Marketing.

CUOA Business School

A CUOA Business School é um dos mais ativos centros de ensino de Administração da Europa. Fundada em 1957, é uma escola de negócios que opera com o apoio das universidades de Padova, Trento, Trieste, Udine, Ca’ Foscari, IUAV (Veneza) e Verona. 

Localizada na Itália, ministra programas em inglês para alunos de toda a Europa e do mundo. É uma fundação privada, sem fins lucrativos, que apoia o ingresso de alunos de países emergentes.

Quanto custa um curso de curta duração no exterior?

Se você chegou até aqui, já deve ter percebido o quanto um curso de curta duração no exterior pode trazer benefícios no curto, médio e longo prazo para a sua carreira, não é mesmo?

Agora, pode estar se perguntando qual é o preço médio dessa experiência.

A resposta é: depende. 

São muitos fatores envolvidos para a realização do curso, tais como:

  • Passagem
  • Hospedagem
  • Valor do curso
  • Despesas com alimentação, transporte etc.

A boa notícia é que algumas instituições, como a IBS Americas, por exemplo, oferecem bolsas de até 50% do valor do curso, facilitando o planejamento financeiro para que você estude no exterior.

Como fazer um curso de curta duração no exterior?

E então, está preparado para começar a planejar seu curso de curta duração no exterior?

Veja este checklist rápido de como dar os primeiros passos rumo à esta nova experiência:

E para dar o primeiro passo concreto rumo ao seu curso de curta duração no exterior, que tal uma bolsa de estudos de até 50%? Conheça os cursos da IBS Americas, preencha o application form e garanta sua vaga!

Cultura Remote First: o que é e como os líderes podem adotar?

cultura-remote-first

Diversas pesquisas recentes demonstram que o modelo de trabalho híbrido é o preferido entre os profissionais, como na pesquisa elaborada pelo Instituto Robert Half. Isso significa que, mais do que o trabalho 100% remoto, os colaboradores querem mesmo é se sentir livres para intercalar entre o home office e o escritório.

Porém, o grande desafio das lideranças é como manter a equipe integrada e produtiva. Nesse sentido, a cultura Remote First pode ser uma aliada!

Neste artigo, explicaremos melhor o que é a Cultura Remote First, quais seus benefícios e como os líderes podem aplicá-la na sua equipe. Confira!

Afinal, o que é a Cultura Remote First?

Ao invés de pensar em uma cultura prioritariamente presencial, o termo remote first representa as empresas que privilegiam o trabalho remoto, criando uma cultura de integração, comunicação e operação que funcione tanto para o home office quanto para o presencial.

Para que fique mais claro, vamos a um exemplo. Se você tem uma equipe de 10 pessoas, das quais 6 moram em outras regiões longe da sede da empresa, será preciso adaptar o modelo de trabalho do time.

Neste caso, a cultura remote first é importante pois você precisa considerar uma estrutura que funcione para os 10 colaboradores, estejam eles no escritório ou em casa. Para isso, será preciso definir questões como:

  • Canais oficiais de comunicação remota;
  • Reuniões online mesmo quando parte da equipe estiver reunida no escritório;
  • Horários flexíveis, caso haja fuso horário.

Quais os benefícios de adotar a Cultura Remote First na empresa?

No cenário atual, empresas que adotam a Cultura Remote First ganham em diferencial competitivo, pois atendem àquilo que os colaboradores desejam e, com isso, podem ter vários benefícios no longo prazo. Entenda algumas das principais vantagens de adotar esta cultura!

Atração e retenção de talentos

Com a escassez de talentos e os movimentos de renúncia de colaboradores que começou nos Estados Unidos e se espalhou para outras regiões, atrair e reter profissionais se tornou um desafio não só para as áreas de Recursos Humanos, como também para os líderes das áreas, que acabam tendo seus projetos prejudicados pela falta de integrantes das equipes.

Dado este cenário, oferecer a cultura Remote First pode contribuir para atrair talentos para a sua empresa e evitar que sua equipe vá para a concorrência.

Aumento da produtividade

Dar ao colaborador a liberdade de trabalhar de onde quiser certamente aumentará a produtividade da sua equipe. Porém, isso só acontece quando eles têm as ferramentas e os processos necessários para serem produtivos de qualquer lugar. É aí que entra a Cultura Remote First!

Diversidade geográfica

O tema Diversidade nunca esteve tão presente nas organizações como atualmente. Nesse sentido, adquirir diversidade geográfica na equipe pode significar mais criatividade e inovação, ao integrar pessoas com culturas diferentes em um mesmo ambiente — mesmo que ele seja virtual.

Além disso, contratar talentos independentemente de onde eles moram facilita o recrutamento, permitindo que você tenha excelentes profissionais em sua equipe que não estariam disponíveis caso fosse montar um time 100% presencial.

Economia financeira

É claro que não poderíamos deixar de considerar a economia financeira que as empresas podem ter ao adotar a cultura Remote First. Afinal, ter parte da equipe trabalhando remotamente gera menores custos relacionados ao:

  •  Tamanho da sede: que não precisa comportar 100% do time ao mesmo tempo;
  • Custos fixos: como energia elétrica, água etc.;
  • Deslocamento da equipe: vale-transporte, gasolina e estacionamento;
  • Entre outros.

Como os líderes podem adotar a Cultura Remote First?

Agora que você já sabe o que é a Cultura Remote First e quais seus benefícios, entenda quais são os primeiros passos para adotá-la na sua equipe.

Estabeleça rotinas objetivas

Colaboradores em home office precisam estar integrados com a equipe, mas não querem passar o dia todo conectados em uma sala virtual.

Para evitar isso, crie rotinas que ajudem a fomentar a cultura Remote First: estabeleça reuniões rápidas de atualização ao início e final de cada semana, a fim de alinhar o andamento das entregas e ter uma visão macro de como a equipe está trabalhando.

Defina canais oficiais de comunicação

Não é porque o trabalho é remoto que ele não tem hora para acabar, certo? Para evitar que isso aconteça, defina canais oficiais de comunicação e tenha SLA’s bem definidos sobre os horários em que todos precisam estar disponíveis e em quais períodos é aceitável que as comunicações sejam respondidas de forma assíncrona.

Incentive momentos de interação “off topic”

Se você tem membros da equipe que não se conhecem pessoalmente ou se encontram esporadicamente, é importante incentivar a criação de laços entre o time, mesmo que remotamente.

Por esse motivo, faz parte da Cultura Remote First criar momentos de interação que não sejam diretamente ligados aos assuntos de trabalho. Isso pode acontecer em momentos específicos — como em um happy hour online — ou dentro das próprias calls de trabalho, onde o líder pode separar alguns minutos no início ou no final para assuntos não relacionados aos projetos.


E então, está pronto para adotar a cultura Remote First na sua equipe? Certamente, ela fará parte da rotina do líder do futuro!

Se você quer se aprofundar mais em tendências e habilidades que o futuro exigirá dos líderes daqui para frente, então leia este artigo e entenda mais sobre o assunto!